foto user
jorge pimenta
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Paisagem Urbana/Canções e açucenas para a melodia dos corpos
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Paisagem Urbana/Canções e açucenas para a melodia dos corpos
voltar lista nav-leftnav-right

Canções e açucenas para a melodia dos corpos

fotografias > 

Paisagem Urbana

2017-12-03 21:45:04
comentários (105) galardões descrição exif favorita de (135)
descrição
É nas estações frias que o corpo dói, por isso levanta-se do tédio e segue, segue sem saber para onde mas certo de não querer parar. O vento seco sopra-lhe aos ouvidos melodias que esqueceu, por isso esconde-se debaixo da terra, tardio, excessivo, quase inútil como os pulsos cortados no derradeiro dia do calendário.
Ouviu dizer que o amor é jornal velho esquecido na mais recôndita divisão da casa. E quanto mais pensa nisso, mais pressente que nada aprendeu sobre o amor ou todas as flores que sobem até à boca. Afinal, esteve sempre só, só e tão longe de escutar o café que assobia na chama, enquanto as mãos, cada vez mais pequenas, se dobram de frio no interior dos bolsos. O corpo? inerte, imóvel, fechado. Afinal, há chaves que se perdem para sempre.

Trencin, abril de 2017
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D610
Exposição: 1/40 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.8
ISO: 900
Dist.Focal: 20mm
Dist.Focal (35mm): 20 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)

favorita de 135
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador
  • galardão curador
    curador
Canções e açucenas para a melodia dos corpos
É nas estações frias que o corpo dói, por isso levanta-se do tédio e segue, segue sem saber para onde mas certo de não querer parar. O vento seco sopra-lhe aos ouvidos melodias que esqueceu, por isso esconde-se debaixo da terra, tardio, excessivo, quase inútil como os pulsos cortados no derradeiro dia do calendário.
Ouviu dizer que o amor é jornal velho esquecido na mais recôndita divisão da casa. E quanto mais pensa nisso, mais pressente que nada aprendeu sobre o amor ou todas as flores que sobem até à boca. Afinal, esteve sempre só, só e tão longe de escutar o café que assobia na chama, enquanto as mãos, cada vez mais pequenas, se dobram de frio no interior dos bolsos. O corpo? inerte, imóvel, fechado. Afinal, há chaves que se perdem para sempre.

Trencin, abril de 2017
Tag’s: Eslováquia,monocromático,túnel,paisagem urbana
comentários
galardões
  • galardão a nossa escolha
    a nossa
    escolha
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D610
Exposição: 1/40 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/2.8
ISO: 900
Dist.Focal: 20mm
Dist.Focal (35mm): 20 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)


favorita de (135)