foto user
jorge pimenta
menu-mobile
Olhares
menu-mobile-right
Carregar
Arquitetura/Slow motion replay
fullscreen voltar lista nav-leftnav-right
Arquitetura/Slow motion replay
voltar lista nav-leftnav-right

Slow motion replay

fotografias > 

Arquitetura

2019-02-22 11:18:01
comentários (87) galardões descrição exif favorita de (112)
descrição
Tudo finda entre a noite e a alvorada, tudo, até o clamor de ti, poesia de uma rima só com que cantava pétalas e distâncias. Tudo finda, tudo, até a espessura do Amor a percorrer mundos de papel que nos cabiam em cada milímetro do corpo, esse lugar secreto onde tudo se ganha e quase tudo se perde.
O tempo passa e eu deito-me sobre os vestígios do dia quebrado no chão como porcelana nas mãos erradas. A pouco e pouco vou adormecendo em crateras de vulcões extintos e, chegado o derradeiro capítulo da viagem, boca desatada sobre a exclamação máxima do mundo: o fim do tempo é aquilo que dissipas e não mais alcanças. Resta a chuva das sombras aninhada sobre espelhos num crepúsculo de flores secas, vazias, infinitamente encharcadas de pernas e passos que não mais contenho e onde a única mirada é os olhos cansados.
Sim, eu sei, amanhã é outro dia... mas a história repete-se em câmara lenta...
exif / informação técnica
Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/6.3
ISO: 3200
Dist.Focal: 14mm
Dist.Focal (35mm): 14 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)

favorita de 112
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador
  • galardão curador
    curador
Slow motion replay
Tudo finda entre a noite e a alvorada, tudo, até o clamor de ti, poesia de uma rima só com que cantava pétalas e distâncias. Tudo finda, tudo, até a espessura do Amor a percorrer mundos de papel que nos cabiam em cada milímetro do corpo, esse lugar secreto onde tudo se ganha e quase tudo se perde.
O tempo passa e eu deito-me sobre os vestígios do dia quebrado no chão como porcelana nas mãos erradas. A pouco e pouco vou adormecendo em crateras de vulcões extintos e, chegado o derradeiro capítulo da viagem, boca desatada sobre a exclamação máxima do mundo: o fim do tempo é aquilo que dissipas e não mais alcanças. Resta a chuva das sombras aninhada sobre espelhos num crepúsculo de flores secas, vazias, infinitamente encharcadas de pernas e passos que não mais contenho e onde a única mirada é os olhos cansados.
Sim, eu sei, amanhã é outro dia... mas a história repete-se em câmara lenta...
Tag’s: arcadas,estação,B/W,desafio temático
comentários
galardões
  • galardão partilhas
    partilhas
  • galardão favorito
    100
    favoritos
  • galardão popular
    foto
    popular
  • galardão curador
    curador

Máquina: NIKON CORPORATION
Modelo: NIKON D750
Exposição: 1/80 sec
Exposição (EV+/-): 0 step
Abertura: f/6.3
ISO: 3200
Dist.Focal: 14mm
Dist.Focal (35mm): 14 mm
Software: Adobe Photoshop CS6 (Windows)


favorita de (112)